Game of Thrones: Cinco pontos positivos e cinco negativos da sétima temporada – Matérias especiais de séries

By | 2nd September 2017

Hora da verdade.

Você riu, você se indignou, você (possivelmente) chorou, comemorou e discutiu (muito!) na internet durante as últimas sete semanas. Afinal, em época de Game of Thrones, só existe um assunto na internet.

Mas agora a temporada já acabou, e chegou a hora de fazer o balanço geral. Passado o furacão, o AdoroCinema resolveu analisar com mais calma e selecionar os cinco destaques positivos e os cinco destaques negativos do penúltimo ano da série.

Os cinco melhores

Torta de Frey

Esta foi a primeira vez que Game of Thrones teve um cold open — como são chamadas as cenas iniciais que precedem os próprios créditos de abertura de um episódio. A cena já causa um estranhamento inicial pelo aparecimento de Walder Frey. Seria um flashback? O que está acontecendo? E então o choque é substituído pelo momento catártico de vingança de Arya (Maisie Williams).

Nada melhor do que começar uma temporada com uma vitória para os Stark.

O (quase) fim das cenas de sexo gratuito

Foram muitas críticas ao longo dos últimos anos. Trata-se de HBO, e nudez excessiva já virou quase padrão nos dramas da emissora. Mas sobretudo após a quinta temporada, e as críticas à cena de estupro de Sansa (Sophie Turner) e ao exagero na exploração do corpo feminino sem propósito narrativo, parece que David Benioff e D.B. Weiss  aprenderam a lição. A sétima temporada teve uma queda considerável de mulheres nuas, e as cenas de sexo exibidas ao longo dos sete episódios tiveram, cada uma ao seu modo, importância dentro da narrativa.

Assim, sim.

O ataque aos trens de pilhagem

Uma das melhores sequências de batalha da sétima temporada (e talvez de toda a série) acontece no episódio 4, ‘The Spoils of War’. São várias referências que se cruzam para reunir dothrakis, o exército Lannister e a fúria de Drogon no mesmo lugar. A grandiosa cena mostra o primeiro momento em que Daenerys de fato demonstra o potencial de um de seus dragões em Westeros, mas além disso a batalha se destaca por imprimir pessoalidade aos dois lados da disputa.

E, confesse: você também gritou de raiva quando Bronn (Jerome Flynn) conseguiu atingir Drogon com aquela lança.

Olenna Tyrell, morrendo com classe

Poucas pessoas conseguem cair tão bem quanto Olenna Tyrell (Dianna Rigg). A Senhora dos Espinhos saiu de cena na sétima temporada, não sem antes puxar as últimas cordas no Jogo dos Tronos. A matriarca de Jardim de Cima foi uma das personagens que silenciosamente conduziu a história a seu favor o máximo que foi capaz. E até em seu último suspiro conseguiu dar a volta e fazer um Lannister perder a fala.

Se não for para morrer assim, então a gente nem morre.

Muralha: A queda

Nós até já imaginávamos que a Muralha iria cair. Ainda mais depois que um certo dragão foi ressuscitado e virou a montaria do Rei da Noite. Mas o apuro técnico e a execução da impressionante sequência a torna deslumbrante. Digna de uma tela de cinema.

Source link

قالب وردپرس

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *